sexta-feira, 11 de maio de 2007

Cidade Sitiada

Já escrevi tanto por aqui sobre a violência que assola o Rio de Janeiro, que me dou o direito de não mais falar sobre esse assunto de forma incisiva - Cansa (não irei nem linkar meus textos). Além do que, temo ser repetitiva em palavras. Quero novidades em ações e atitudes concretas, inclusive de mim mesma. Todos temos a solução, no entanto, damos cabeçadas para chegar ao consenso. Qual é a solução? Quem ousa dizê-la?

Antes de dormir, resolvi dar uma passada no blog e me deparei no portal de notícias que mantenho aqui com mais uma morte na virada de um novo dia, motivada por bala perdida. O dia mal chegou e mais uma alma se foi, mais uma família chora.

O contador do Rio Body Count, deve ter entrado em curto digital.

Onde estamos errando? Sim. Falei "nós" - sociedade. Deveríamos estar lutando e comemorando o bem estar comum. No entanto, a apatia, o medo, a descrença no poder público - no Estado, nos tornou omissos, bairristas e eternos lamentadores das mazelas alheias.

Que pena! E que Deus proteja essa cidade linda e abençoe as almas inquietas, incansáveis, questionadoras e batalhadoras pela PAZ.




... voltei só para linkar um dos meus tantos textos sobre o tema (In Memorian)

4 comentários:

Kaká disse...

Amém!

Fernanda disse...

Beth, a violência está em todo o lado! Agora mesmo estamos a viver em Portugal o drama do desaparecimento de mais uma criança, de 4 anos apenas. Maior violência do que pedofilia não existe!Poderemos fazer algo, senão revoltarmo-nos? Rezarmos? Pegar numa arma? Não sei a resposta, sei que já não acredito na regeneração do Homem.
Beijos...

DM disse...

Oi Beth!Sou a vaca DM do blog das "Vacas", obrigada pela visita,lá!Pela primeira vez, estou visitando aqui...De fato está estarrecedor as coisas que estão acontecendo na cidade maravilhosa...Sou apaixonada pelo Rio desde cirança, nde passava as férias ... Depois que mudei para SP, to sempre convidando o maridão para ir prá ia, pela proximidade, mas as notícias que chegam daí não animam. Depois do que aconteceu com aquele menininho, Cássio fiquei chocada ...Uma pena mesmo cidade é linda!!! A sociedade de um modo geral precisa se mobilizar para reverter esse estado de coisas... Pois pareçe que até agora nada tá resolvendo ... Mas espero que ainda haja algum esperança e mobilização para reverter esse estado de coisas ...
Em SP as coisas não são muito diferentes só que ainda não há por aqui, essa síndrome de bala perdida como por aí, mas já alguns casos parecidos ...

Beijos e um fim de semana de paz, afinal é dia das mamas!

Parabéns seu blog é muito legal!
DM

Pedro disse...

Na ultima vez que estive no Brasil, no RJ, na linha vermelha, indo para o aeroporto, fiquei horas esperando o tiroteio passar. Será que o táxi era blindado? Ouvia de longe o som enlouquecedor, o som da morte vindo das rachadas dos fuzis ... pareciam proximas, muito proximas. Eu, minha filha e o motorista nos abaixamos (procedimento de quem quer sobreviver) mas penso quantas familias fazem isso diariamente nas comunidades em que vivem? Quem quiser sobreviver tem que se atirar no chão e familias inteiras se jogam no chão.
A violência existe em qualquer lugar e isso é fato. Grandes metropoles sofrem com a violência. Mas no Rio de Janeiro, em especial, o tráfico está desafiando a cada dia as autoridades. É uma guerra civil onde se morre mais do que em uma guerra entre Estados.
O PAN será um refresco na vida dos cariocas; a cidade sitiada estará protegida por poucos dias, mas e depois do PAN?
Que Deus tenha piedade de todos nós, pois pretendo voltar, depois do doutorado concluido e quero viver como sempre vivi bem nesta linda cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.