domingo, 16 de setembro de 2007

O Mané Cerol Virtual

O Mané é daqueles caras que não tem nome, cabeça, tronco e membros; é uma coisa que navega pelos mares da rede virtual, talvez, mais do que isso; ele vive na rede, mora dentro dela, é um fake real, com uma vida virtual. Mané namora pela rede, manda curriculun´s pela rede, sofre pela rede, faz barraco pela rede, desabafa pela rede, confessa pela rede, acho até que transa pela rede. Suas namoradas e novos amigos moram na rede. Chega ao ponto, de ficar com um laptop deitado no sofá, sem levantar o traseiro para correr atrás de seus interesses, pois a rede o atende muito bem, afinal, para que o Mané vai gastar sola de sapatos?

Recentemente, Mané vendeu seu botijão de gás, computador e cuecas só para viver uma aventura virtual sexual que conheceu pela rede. E lá foi o Mané feliz da vida viajar alguns quilômetros, atravessar alguns Estados, comer muito pão com mortadela só para conhecer sua musa virtual sexual e virar Piu-Piu de Marapendi em nova versão: Chegando lá, eu vou me dar bem.

Como não poderia deixa ser, pois quem avisa amigo é e, se conselho fosse bom não se dava, vendia; chegando no seu destino nordestino, Mané percebeu que nada era o nirvana pretendido ou que aparentava ser, que a seca e a caatinga era uma real, que o Nirvana não existia mais, que Curt Cobain era um doidão que se matou por estar em crise existencial e que nem sempre o virtual é tão gozo total quando dá ares de real. E Mané voltou com as mãos atadas, ferrado, duro, cheio de dívidas, sem computador (sua ferramenta de trabalho) e com àquela velha história do dó, dó, dó, tenham dó de mim, se compadeçam de mim; sou um pobre coitado na vida, ninguém me ama, ninguém me quer, ninguém me chama de meu amor e sem muito entender o que deu de errado na longínqua empreitada. Mané adora se fazer de vítima, pois sempre haverá uma alma compadecida feminina, querendo lhe dar colo, após saber de suas merdinhas.

Ele é tão viajante na maionese no mundo virtual que recentemente a sua musa sexual virtual andou tendo uns peripaques e as noticias chegavam via torpedo. “Ei Mané, ela foi internada, ela está no soro, o médico suspeita de meningite, ela está na CTI, ela chora te chamando, ela vai morrer. Opa! Mané, presta atenção, não é meningite é depressão...”. Ai chega a insana que vos escreve, e diz: Mané, posso te fazer uma pergunta? Desde quando saúde, risco de vida se trata por torpedos? Eu e minha língua, pois tem horas que é melhor deixar alguém viver no mundo de Alice. Mas, com a pulga instalada atrás da orelha, o Mané liga para a casa da musa sexual virtual e ela atende o telefone e virtualmente desmaia. Outros torpedos se seguiram: ela fugiu do hospital, ela foi para casa, o telefone tocou, ela ouviu tua voz e desmaiou. E o Mané com cara de otário, acreditou.

Mas como vida de Mané dura pouco e todo Mané se transforma em otário, então, logo abriu os olhos, fez a fila andar virtualmente e já está com novos pegas, amores, afazeres, dilemas, nóias. E cantando a mesma música: tenham dóooooo de mimmmmmmmmm, eu já não possso suportar essa minha vida de amarguraaaaaaaaa.

E Mané, mesmo sem computador, conseguiu bravamente mudar o rumo de sua história, virou o otário da vez que canta de galo. Tornou-se o comedor virtual, ciscando em todos os galinheiros, currais e pocilgas disponíveis, fica à caça de camisinhas, lubrificantes, fantasias de Robin, algemas, videos pornôs, calcinhas exocet e faz novas amigas sexuais virtuais e anda lambuzado de tanto comer mel. E salve, salve às lan´s.

- Posso te fazer uma pergunta? Diz, timidamente e muito sem graça o Mané.
- Se eu souber responder.
- Como um HPV se manifesta num homem?

------- xiiiiiiiii (homem quando chega à essas perguntas, é porque algo não saiu bem quando brincou de médico)

- Aconselho você procurar o Dr. Google.com ou a Dra. Wikipedia.org
- Estou falando sério.
- Eu também Mané. O virtual tem respostas excelentes para a crueldade da vida real.

Acorda Mané Cerol. César cobra seus tribunos e o mundo gira Giramundo.


***** Por falar em Mané e Manés, os jornalistas Arthur Dapieve, Gustavo Poli e Sérgio Rodrigues lançaram em 2003 o Manual do Mané. Guia de auto-ajuda para o homem que vacila. Não sei se ainda está sendo editado, mas vale muito a pena procurar.

12 comentários:

Adão Braga disse...

Beth:

Cruel. Muito cruel. Tanto uma situação, a situação real do Mané Virtual, tanto quanto se ter que conviver com a Manelada que se fez.

Aqui se diz: Povo de capital cai fácil em certos golpes... mas não é gente de capital não, é como descrito no texto, alguns Manés, nunca deixarão de sê-los.

Amanhã vou procurar suas mudas de Pitomba e de Mangaba... Vou aproveitar que é dia de feira amanhã e procurar por mudas lá no mercadão...

Um cheiro.

Wolverine Logan disse...

História real de um Mané virtual?
Mané que vira otário?
Ahahahahahahaaha!!
O mundo virtual tem lá seus atrativos, facilita algumas coisas, mas nem tudo que reluz é ouro.
Beijos

Kaká disse...

Cara... Tem coisa no virtual que se contarmos ninguém acredita... Tenho asco de manés e afins... Irônico e bem apropriado para os dias atuais.

Thiane disse...

Homem-vacilo é o que tem lá no meu blog. Beijocas

Poliedro disse...

Minha Amiga:
Penso que o termo "Mané" se utiliza no Brasil num sentido depreciativo, não é?
"Mané" é alguém inseguro, ingénuo, meio apalermado, um pouco distraido e sem graça, não é?
Registo.
Narração bem conseguida focando a vida de todos os "Manés" do Mundo.
Em Portugal, o termo "Mané" é um diminuitivo de "Manuel". Não tem o caràcter e significação que lhe dão no Brasil. É um termo carinhoso para "Manuel" somente.
Sempre a aprender.
Beijos de estima
pena

Beth disse...

Poliedro, só passei para te responder às cinco e pouca da manhã. Dq a pouco vou para o treino e dei uma passada rápida por aqui.
Bem, Mané também, por aqui, é apelido /diminutivo de Manuel. Mas Mané também usa-se quando ele (a) da forma que você bem colocou, muitas vezes, com uma dose de sarcasmo e pimenta.

beijos e bom dia por ai em terra mãe.

Paola a Estranha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vinicius disse...

como diria bezerra.. homem é homem e mané é mané !!

Ricardo Rayol disse...

um raio-x interessantissimo do mané virtual.

Pedro disse...

mané virtual em vida real????????? Tá cheio de manés e manezinhas por ai.
A realidade é dura.
Paola! PP?
Nooossa manézinha mesmo! mas todos já fomos manés curiosos, no mínimo. O pior são os manés e manezinhas que continuam em algum lugar do ciberespaço fazendo de conta que está tudo bem, está tudo zen.

beijão Liz

Carlos disse...

muito mané mesmo.

Beth disse...

Gente, pois é ....
Esse muso mané cerol virtual e suas histórias bem reais.

Adão, canso de falar para ele: cuidado com o povo do nordeste, quando você pensa que enrola, lá vêm eles e te dão a rasteira.

Vinicios = Bezerra era um homem sábio. No meu orkut tenho até uma frase dele.

Kaka, Wolve = vixi e tem mesmo neh ??? já falei sobre os crimes virtuais, sobre plágio, sobre as cinderelas plugadas e agora os manés. Nem tudo é principe encantado e cinderela.

Thiane e Paola = vocês duas são um primor quando falam de si.

Carlos = podes crer. Mané mesmo.

Pedro = você já passou cada sufoco neh amigo ??? Vixiiiiiii