quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Operação "O Carro Atolado"



O carro atolou ! E agora? As três se perguntaram diante de um azul de céu e mar.

D - Eu posso resolver, mas antes tira uma foto do carro atolado?
B - Uauuuu que lugar lindo!
M - Foto? Lugar lindo? Alouuuuu o carro atolou. E agora?
D - Sacanagem e nem um quiosque para uma cerveja geladinha.
M - Fácil de ser resolvido, podemos resolver isso, somos mulheres inteligentes.
B - Concordo. É claro que podemos resolver. Vamos todas juntas agora em uma só voz.

Um, dois, três e o coro estridente de vozes femininas chorosas e desprotegidas ecoaram no paraiso: - Moçooooooooo! Ei, moçoooooooooo...socoooorro, o carro atolou aqui. O senhor pode nos ajudar?

E aparece não apenas o "tal moço", mas dois, três, quatro gentis minhoquinhas da terra. Analisa daqui, empurra dali, suspende acolá e nada. Enfim, uma verdadeira operação de engenharia civil foi montada para a retirada do carro. E cava daqui, cava dali, pega a enxada e continua cavando até a operação ter sucesso.

B - Obrigada pela ajuda meninos.

Mas o papo continuava entre elas, pois mulher que se preze, em vez de ficar zangadinha, sempre repara em algo interessante mesmo diante das situações mais inesperadas:

D - Vocês viram o Deus do Ébano?
B - Nooooosa!
D - Aquilo não é um homem. É um espetáculo.
M - Ele foi o último a chegar, mas comandou toda a operação de resgate do carango.
D - Nooooosa! E que operação. E que resgate.
B - Ele estava pescando.
M - Eu vi. Você também reparou?
B - E quem não repararia naquele espetáculo na beira do mar?
M - Mas de quem foi a idéia de parar naquele lugar?
B - Ah! Eu vi uma estradinha de terra e estradinhas sempre levam à lugares interessantes.
M - Da próxima vez eu dirijo. Você é muito curiosa.
D - Eu continuarei a tirar fotos. Mas bem que poderia haver um quiosque a beira mar, pois enquanto eles desatolavam a gente bebia.
M - É verdade. Ufa! E agora? Vamos para onde?
B - Parar em algum lugar entre o céu e o mar e que tenha cerveja.
M e D - Excelente idéia.

B, D e M ... enfim, mais uma vez, se divertiram muito.

7 comentários:

Osc@r Luiz disse...

Quando eu trabalhei como guia de turismo, os estrangeiros adoravam que o carro atolasse e eles ajudassem a desatolar. Tiravam fotos e mais fotos. Era o máximo da aventura tropical desatolar carro principalmente pros europeus.
Taí. Deve ser mesmo divertido né?
Beijo!

Pedro disse...

O titulo deveria ser: Operação Mulheres em Apuros! kekekekeke

Homem é bicho burro mesmo, não pode ver mulher em perigo e situações que envolvam um automóvel que logo aparece um batalhão para ajudar. Principalmente se estiverem de biquinis. kekekekekeke

Flor de Lis quem te conhece já sabe que isso foi arte sua - ô mulher curiosa e o pior com o teu próprio carro?

mas homem é um ser previsivel.

Wolverine Logan disse...

Viva as mulheres em apuros!!!
Todo grande herói precisa de grandes feitos heróicos, quanto maior o moinho, maior vai ser o gigante que o Don Quixote mutante aqui vai dizer que enfrentou. O mulheril se sente atendido, os caras se sentem o máximo e a ordem no mundo se mantém.
Agora se você atolar num lugar deserto de fato eu tenho uma receita pra desatolar o carro da areia sem cavar e sem fazer força, depois te passo.
Beijos

1ª lady newton disse...

Bethinha!

To até agora rindo das mulheres em apuros! Muito franca? Vcs todas são phynnas e italianas de Milano, não poderia ser diferente!

E aquele Deus do ébano!? Afe!
Muito fraca? Achei o Deus do ébano tão digno né???

DEUS DO EBANO RULES!
*Hj eu postei nas Pererecas em Chamas. Da uma passadinha lá! Agora não sou uma incógnita total! hehehe

Ana Paula disse...

Agora eu pergunto... É bom pra caramba ser mulher, né não? Beijos, linda, bom feriado!

Thiane disse...

Que história ótima. Acho que eu teria ficado um pouco em pânico num primeiro momento, mas vocês tiraram de letra hahahah Beijos

Kaká disse...

Fala sério, Beth! Lendo assim esse "causo", eu só fico pensando: "vai ter q rolar uma coisa assim de novo, e aí a Beth vai acrescentar 'B, D, M e K..." - :D
Dá vontade de fazer parte da trupe, porque até esses apuros você os transforma em espetáculos! Adorei!