sábado, 14 de abril de 2007

Culpa do Gold Reserve


A taça se quebrou
Culpa de corpos risonhos em êxtase
Não deu para resistir
Coberta pelo véu da noite
Totalmente embriagada de você
Rio de teus olhos delirantes
Serei tua...eu sei
Com teus lábios Gold Reserve
Vem me despir para ti.

(by Beth Santana)

6 comentários:

Tião disse...

uhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

Marcelo disse...

uhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
uhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
uhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
jajajajaja
sei
sei
sei

Daniela Eloise disse...

Querida Bethinha muito sugestivo seu textinho..acho que sei a que se refere..então seja feliz!!!!

Pedro disse...

??????????????????????????????
A Danizinha viajou na maionese
Daniiiiiiiii é apenas um texto. Será?
Acho muito engraçado essa parada de descobrir o autor atraves de suas palavras que as vezes são meras palavras.

Kaká disse...

oooops!!!!! concordo 100% com o Pedro. E ainda digo... É sempre bom ficar atento à embriaguez! Seja pelo álcool, pela magia de alguém, pelas próprias palavras... embriaguez é sempre algo a se cuidar para não perder o sentido. Mas que o texto é bacana, aaaah!!! é sim! :)

Beth disse...

Concordo com todos. O texto deu um puta tesão em escrevê-lo. Amplio ao cubo as interrogações, apesar de que, sempre vejo como meras palavras. Talvez esteja oculto algo, ou não esteja nada oculto. Palavras são palavras que juntas formam orações, frases, textos, poemas, crônicas, prosas ou meros devaneios.
O autor não pode se prender a algo, ou até pode, mas não deve, ou se deve, não pode, ou se pode, não queira, ou...ihhh...são tantas interrogações.
hahahahahahaha
adorei essa viagem.